terça-feira, 13 de abril de 2010

Raio X da Escola Bíblica Dominical no Brasil - EBD

Ao mestre, com carinho: “... Se é ensinar haja dedicação ao ensino” - Rm 12.7

A importância da EBD - Hoje nas nossas igrejas temos muitos professores [as] nas EBD, inclusive, expresso aqui meu apreço e admiração destes que, voluntariamente se dispõem para este serviço tão necessário, e, acima de tudo, vital para que o novo e o velho convertido aprenda a “guardar todas as coisas...”[Mt 28.20] que Jesus Cristo e seus discípulos ensinaram. E a importância é de tal forma que é nela que os crentes são formatados como cristãos. É na EBD que o novo crente cresce espiritualmente, i.é., aprende: a Bíblia, a louvar, aprende as doutrinas, os atributos de Deus, sana todas as suas dúvidas, em fim, cria raiz espiritual. Na verdade, a mensagem do púlpito tem cunho essencialmente [principalmente no domingo] evangelística, sua finalidade é levar ao arrependimento e conversão,  já a EBD, tem uma mensagem de cunho edificador.

Tradicionais X Pentecostais - As igrejas tradicionais como: Presbiteriana, Batistas, Metodistas, sempre se destacaram nesse campo. Em contra-partida tem menos conversões nos seus cultos em comparação com as co-irmãs pentecostais. Que paradoxo, hein? A explicação é simples. Nas igrejas pentecostais como Assembléia de Deus, quase todos os cultos são de cunho evangelístico, sempre tem apelos, a preocupação maior sempre foi ganhar almas. Isso salta aos nossos olhos quando vemos as estatísticas comparativas entre as igrejas tradicionais e pentecostais. Porém, as pentecostais estão investindo mais no ensino aos seus fiéis, especialmente nas EBD, para que estes não somente se convertam, mais também permaneçam crentes e com raízes espirituais profundas. Já as igrejas tradicionais, apesar de terem menos conversões em seus cultos, quando acontece, esses novos convertidos recebem muito ensino nas EBD. Para começar, o professor da classe de discipulado sempre é um pastor que realmente esteve num seminário por cinco longos anos, e, que tenha vocação para ensino. Eis a diferença, se ganha poucas almas, porém essas recebem muito ensino e de qualidade.

Forma e conteúdo - Contudo, observamos e é visível, salta aos nossos olhos, que muitos desses professores voluntários que estão na EBD não possuem a mínima capacitação teológica para o exercício de tal função. Cadê os “pastores e mestres” ou “mestres” de Efésios 4.11, nas EBD? Alguns docentes, sequer nunca leram a Bíblia Sagrada na íntegra, i.é., toda ela, de Gênesis a Apocalipse! Não investem numa biblioteca pessoal e muito menos em leituras teológicas, detestam cursos teológicos, seminários, conferências e ou simpósios dessa natureza. Pasmem! Mas é a realidade. Os nossos filhos, que qualidade de ensino bíblico estão recebendo nas EBD? Pois, se essas aulas nunca mudam, são contadas as mesmas histórias anos afim, não incluem uma dinâmica, não se usa vídeos num data-show, não se ensina mais as crianças a guardarem nomes dos livros da Bíblia, versos, etc. Muitas igrejas tem forma de igreja, tem tudo de igreja, é bonita, tem salas, professores, alunos, porém, ensino teológico que é bom, não tem, são fracas. Muitos professores exercem tal função sem o mínimo de capacitação para tal, fazem pelo status, porque estão na igreja há tempo, então, assim conclui-se que detêm o conhecimento. Logo, as EBD hodiernas, tem forma, entretanto, não conteúdo de qualidade.

As salas de aulaVia de regra, não são nada boas, i.é., oferecem poucas condições. Usa-se carteiras à moda antiga, aquelas com assento e encosto de madeira e base metálica, que são muito desconfortáveis, depois de trinta minutos sentados sente-se a sensação de estar sendo agredido pela cadeira. Fica difícil assistir as aulas assim. O espaço físico é minúsculo, apertado, com pouca aeração, i.é., sem janelas ou então com muito pouca entrada de ar. E os quadros? Claro que ainda usamos aqueles antigos que nossos avós conhecem, de giz é lógico, que é anti-higiênico e é barato! Ainda falta dizer sobre a limpeza, higienização das salas. Ora, se as salas tem carteiras antigas, espaço minúsculo e pouco arejados, quadros antigos, imaginem como será a limpeza dessas salas, será que cheiram bem ou cheiram a poeira? Será que os alunos não sujam as suas roupas ao sentarem-se nas cadeiras, no chão, ou ao encostarem nas paredes? A avaliação não é nada boa, não pensem que estou exagerando. Há poucos dias, estive numa de nossas congregações onde havia falecido uma pessoa conhecida, e, em dado momento fui conhecer uma das salas de aulas de EBD, quase que eu chorei mais pelos alunos da EBD daquela igreja, do que pela perda do que havia falecido. Um abandono total. A descrição foi esta que lhes dei acima e por incrível que pareça, na maioria das igrejas que visito, e, sempre espio as salas de aulas da EBD, a avaliação não é diferente. São raríssimas as exceções, que na verdade, essas exceções deveriam ser regras e não o contrário.

Em algumas igrejas, onde não existe salas, se usa o próprio templo, e, se o espaço for grande, divide-se em mais de uma sala de aula no interior do templo, o que não é nada bom, uma vez que a atenção do aluno não será exclusiva para o seu professor, mais será dividida com todo o que lhe chamar a atenção, i.é, as outras salas. O ideal seria que cada classe tenha a sua sala separadamente e com todas as condições.

Há lugares, especialmente no campo fazendo missões ou em lugares muito pobre de recursos, que as aulas são dadas debaixo de arvores, choupanas ou algo assim, porém, a qualidade do conteúdo oferecido não deve ser negligenciado mesmo nessas condições.

As lições – Geralmente se usa revistas com treze lições, o que atende a três meses de aula. Isto é muito bom, mais não pode o professor ter somente o conteúdo de sua revista como fonte. A lição ficará muito pobre de conteúdo. Ainda mais se o mestre, professor, ensinador cristão, não tiver uma boa capacitação. Diz um velho provérbio: “Nós só damos aquilo que temos”. O ideal é que o mestre tenha um equilíbrio na entrega desta lição, ofereça teologia, contexto histórico, uma boa interpretação e por fim faça uma boa aplicação.

Os mestres – Professor, ensinador cristão, mestre [Ef 4.11], doutor da Lei [Jo 3.10], este um conceito muito alto para a avaliação de mérito de nossos mestre hodiernos. Mestre, doutor, indica que realmente tem um conhecimento profundo e que o ensina na mesma profundidade real deste conhecimento, sendo visto isto pela persuasão e integridade, retidão moral deste mestre ou doutor. Via de regra, nossos professores são os crentes mais antigos ou que conhecem mais de Bíblia do que os outros. Muitos não possuem formação teológica, um aperfeiçoamento, uma capacitação mais apurada, são autodidatas, tem aversão a seminários teológicos e afins. Tem discipulados que sabem mais do que o discipulando. E isso tudo para a vergonha da igreja.

Plano de aula – Esta é uma pratica que é realidade em algumas igrejas e que realmente quando bem feita, surte o seu efeito. O que é o plano de aula? Ora, promove-se uma aula magna daquela lição para os professores, antes que eles apliquem a lição aos seus alunos. Evidentemente que este [plano de aula], deve ser dado por alguém que tenha domínio pleno do assunto, teológico, contextual e interpretativo, e, ainda culmine numa aplicação prática viável e pertinente com a realidade do aluno. O ideal é que este plano de aula seja um dia antes da lição, a fim de sanar todas as duvidas do professor, ou então, cerca de uma hora antes da aula. Infelizmente muitas igrejas ainda não fazem assim e o conteúdo/aula fica paupérrimo.

Didática & Metodologia – Será que os nossos mestres da EBD estão sendo hábeis em usar todas as ferramentas para o exercício ora conferido a eles? Os pedagogos até estremecem só em pensarem no assunto. O escritor Augusto Cury em seu livro “Pais Brilhantes, Professores Fascinantes” [pg. 119 a 154], sugere dentre muitos ensinos, três que valem muito a pena: 1. Sentar em círculo ou formato de U. Realmente funciona mesmo, coibe as conversas paralelas, anula a timidez dos alunos e ajuda na exposição da aula; 2. Exposição integrada, a arte da interrogação. É ideal que o professor faça perguntas inteligentes aos seus alunos, semelhante às que Jesus Cristo fazia aos seus ouvintes [Mt 16.13]. Isto estimulará o aluno e o levará aos seus limites de conhecimento. O resultado é que o aluno conhecerá mais; 3. Exposição dialogada. Expor dialogando, naturalmente é diferente de somente o professor expor e os alunos somente ouvir, o que na verdade é um monólogo. Então a pratica da didática e de uma boa metodologia facilita o ensino da lição.

Sugere-se que apesar das dificuldades, o professor utilize-se de ferramentas atuais, como filme, power point, etc., via data show ou televisão durante a lição. Isso no máximo três minutos do tempo.

Sala de aula padrão – Para as igrejas que já tem algumas salas de aula, sugiro construir ou tornar uma dessas salas, padrão. Isso visando o futuro, de forma que o objetivo seja o de que as outras um dia serão como esta padrão. Composição: amplo espaço físico, bem arejada, se possível climatizada e com cadeiras confortáveis, suporte das cadeiras retrátil [a parte de colocar o caderno para escrever]. Limpa, i.é., bem higienizada e com quadro branco para uso de pincel atômico. Telão retrátil, data-show fixo e caneta laser, ideal para se usar filmes de dois a três minutos durante uma lição ou ainda power points. Porém, o professor deve ser familiarizado com todas as ferramentas que a sala oferece, a fim de não perder tempo durante a aula, seja dinâmica, objetiva e rica em conteúdo. Óbviamente, a administração da EBD depende do seu caixa, entretanto, tudo na vida tem um preço, principalmente conhecimento.

Avaliar o Desempenho e Performance do professor – ADP: Criei este método cunhando-o em duas premissas básicas: 1. O professor, conhecer a si mesmo [Conhece-te a ti mesmo - Sócrates]. Ele fará uma leitura de si mesmo e verá o que tem feito, se tem tido êxito na sua missão e principalmente verá suas qualidades e defeitos; 2. Sim, nós Podemos [Yes, we can - Obama]. O bom professor faz de si mesmo um laboratório. A idéia é potencializar-se, ser mestre no que faz. Particularmente, tenho adotado o método para mim mesmo como professor no Instituto Bíblico – IBADETRIM e também na EBD da igreja que sou membro. Você se surpreenderá e crescerá muito. Sim, eu e você, i.é., nós podemos melhorar!

Dicas para Avaliar o Desempenho e Performance: direcionei essas dicas para a prática da lição da EBD, i.é., entrega da lição. Porém, podem ser adaptadas para outra aula em sala.

1. Abertura: Capacidade de assumir a direção da aula, valorizar o aluno, visitas, e, iniciar a lição. É a 1ª chance de ganhar a atenção dos alunos, não deve ser desperdiçada. Usar o tempo máximo de 1 minuto. Deve-se: cumprimentar os alunos, valorizar as visitas, atrair a atenção à aula e começar a lição. Isso tudo em um minuto.

2. Introdução da Lição: Capacidade de arrebatar a atenção dos alunos, com uma síntese clara e precisa da idéia geral da lição. Aqui, o Profº é obrigado a atrair toda atenção dos alunos. Aliada à didática, a síntese da lição deve ser brilhante, apresentar uma visão panorâmica da lição e arrebatar os alunos para o assunto. Usar entre 1 a 2 minutos.

3. Tópicos: Capacidade intrínseca do ensinador cristão [mestre] de explicar todos os tópicos da lição de forma clara e convincente, usando argumentos bíblicos e não conhecimento empírico. Fazer aplicação no contexto atual. Responder perguntas de alunos sem fugir da lição. Usar entre 7 a 10 minutos para cada tópico e subtópicos. Aqui é importante que ao começar explicar um tópico não migrar para outro antes de terminar este. As respostas e esclarecimentos devem ser embasados na bíblia.

4. Perguntas da Revista e Conclusão: Capacidade de responder [durante a aula] as perguntas inseridas na revista, dando-lhes o devido destaque. Fazer a conclusão, sintetizando toda a lição, aplicando teologicamente de forma relevante e significativa. A conclusão deve ser curta, rápida e objetiva. Aqui o prof. Usa seu poder de síntese. Usar entre 1 a 2 minutos para a conclusão. Nada de empirismo nas respostas. A Bíblia se auto-responde, use-a para tal, o professor está ali para este fim. Ah, valorizar sempre as perguntas e participações dos alunos. Isso é muito importante, deixa eles ligados na aula.

5. Posturas e Gestos: Capacidade especial do ensinador [mestre] ao se apresentar diante dos alunos, chamando a atenção para a lição e não para si. Evitar cenas bizarras e caricatas [ex: se cocar, sentar durante a aula, escorar, gestos agressivos ou pejorativos]. A postura deve ser simples e elegante. Os gestos podem ser suaves ou fortes, porém coordenados. O professor destaca-se por várias coisas e as mais importantes são: conhecimento teológico com que argumenta, esclarece a lição e sua postura quando o faz. Não deve se dar ao luxo de relaxar durante sua aula.

6. Verbalização: Capacidade natural ou adquirida do ensinador de verbalizar, expressar, explicar com qualidade de voz, boa tonalidade e bom volume, sem agredir aos ouvidos. Aqui, não se avalia o conteúdo teológico, avalia-se o conteúdo verbal. É importante alternar nos momentos certos o tom de voz.

7. Apresentação Pessoal e Asseio: Capacidade peculiar ao ensinador, de vestir-se com trajes próprios à função. Não atrair a atenção para sua vestimenta. Cumprir a instrução administrativa de sua EBD. Evitar roupas muito justas, curtas, transparentes ou com misturas de cor. Cuida bem do cabelo, barba, unhas, etc. Cuide de sua higiene pessoal, os alunos se miram nos seus professores, sem dizer que outros gostam de se aproximar e ficar por perto.

8. Investa na preparação da lição: gaste bastante tempo preparando sua lição.

8. Leia bíblica e de livros teológicos: É importante ler muito a bíblia e livros teológicos. Tem professores que exercem a função há dez anos e jamais leram a Bíblia na integra. Leia também jornais e revistas deste seguimento. Também há muitos blogs bons.

9. Biblioteca pessoal – Sugiro pelo menos três Bíblias de estudo, um dicionários bíblicos, três comentários bíblicos e Livros de cunho teológico.
10. Jornais: Conheço e leio o jornal Mensageiro da Paz e o Jornal Presbiteriano, são muito bons, sugiro.

11. Objetivos gerais da ADP:
a. Proporcionar à Adm/EBD, conhecer seus professores;
b. Avaliar, medir, aquilatar a qualidade do ensino teológico oferecida aos alunos;
c. Potencializar a EBDU, em excelência de ensino bíblico e doutrinário;
d. Proporcionar estreitar laços entre Adm/EBD e professor;
e. Levar, professor e alunos a valorizarem as lições bíblicas contidas na revista;
f. Proporcionar ao professor, conhecer-se como tal, se auto-avaliar e buscar a excelência no ensino.

Concluindo – temos muito o que melhorar em termo aulas na EBD. Em muitíssimos lugares temos péssimas salas de aula, em todos os sentidos mesmo. Temos professores fracos em conhecimento, argumentação teológica e que expressam dificuldade de tornar o ensino relevante e útil ao aluno. O pior de tudo é que a administração dessas igrejas sabem disso e são omissos. Se queremos crentes enraizados nas doutrinas bíblicas e prontos argumentar naquilo em que forem argüidos, precisamos investir muito na EBD, especialmente, primeiro no professor e segundo no ambiente em si. Melhor seria se pudéssemos investir nos dois ao mesmo tempo, mas falta muita vontade de quem de direito.

7 comentários:

  1. Paz irmão, muito bom seu texto,os nossos olhares que estão precisando de raio x,gostei de seu blog,parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Ola a paz do Senhor que abençoado blog belo trabalho muito me alegro em visitar um blog com rico conteúdo de qualidade voltado para a palavra do Senhor .
    Sal da terra é o servo que usa a internet para abençoar vidas eu loudo a Deus por sua vida porque você a diferença na net gloria a Deus !
    A partir de agora me torno um seguidor do seu blog!

    Tenho um blog direcionado a palavra do Senhor e nele cumprimos parte do ide vós convido a visitar e comentar pois a sua opinião é muito importante para nos !
    Muito obrigado !
    http://marcinhoalves.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado pelo seu comentário. Quanto a seguir este blog, sinto-me honrado. Suas visitas e comentários, são bem-vindos.

    Att,

    F. A. Netto

    ResponderExcluir
  4. Que a graça e a paz do Senhor e Salvador Jesus Cristo esteja contigo... Primeiro agradeço pela visita ao meu blog e pelo comentário. Segundo estou retribuindo e parabenizando pela estrutura do seu blog, confesso que ainda não ohei ao todo, mas logo estarei fazendo isso!
    Fica na doce paz do Senhor meu querido irmão... Super abraço!

    ResponderExcluir
  5. Joselito, obrigado!
    Suas visitas e comentários serão sempre bem-vindos.

    Att.,

    F. A. Netto.

    ResponderExcluir
  6. Netto, obrigado por sua visita ao meu blog, tenho buscado fazer um blog com conteúdo que edifique a igreja do Senhor e por incrivel que pareça estava pensando em EBDs ontem à noite.

    Gostei de sua visão a respeito deste assunto. O que tenho notado é que os ministérios de ensino, de modo geral, não tem se dedicado a buscar novas formas de ensino.

    As pessoas estão cada vez mais informadas sobre tudo, a internet está ai para nos mostrar o mundo. Mas nas EBDs a comunicação ficou defazada, aquem da expectativa de nossos adolescentes por exemplo e o pior é que muitos dos lideres nem estão preocupados com isso, e quando esses jovens saem da igreja culpam o mundo pela comunicação eficaz.

    Deus te abençoe,

    Vou acompanhar teu blog.

    Roger Stein
    www.rogerstein.wordpress.com
    @roger_stein

    ResponderExcluir
  7. Querido irmão, que Deus continue te usando com esse propósito essa matéria é de uma urgência nas nossas igrejas precisamos nos preparar mais e isso é urgente.

    A paz do Senhor Jesus seja com você e sua família!!!

    Antonia (Ass de Deus Ubelandia)

    ResponderExcluir

The Best Articles