sábado, 23 de abril de 2011

Males humanamente eternos

Desde que existe pessoas, seres humanos, também intrínsecamente existiram os males humanos. Alguns se sobressaem, outros são silenciosos como é a depressão, de quem falarei no próximo post. Desta vez falarei do ciúme, é o tão espinhoso ciúme. Que nada mas é do que um mal humano, como disse no título, 'males hmanamente eternos'. E dentro de um conceito simplista diria que o ciúme é um mal silencioso, algo inerente a todo ser humano, independente de idade, sexo, credo ou condição social. Todos, todos sem nenhuma excessão tem uma pequena dose de ciúmes em si ou uma exagerada dose. E isso é gritante nalgumas pessoas, porque elas passam a viver em função disso. Diria que o ciúme é como os pelos do corpo, uns tem pouco, outros muito, uns tratam e outros não...

Tenho uma tese particular. De tanto falar isso aos meus amigos e alunos resolvi escrever por que penso ser relevante para todos. Acho até que alguns se resolveram depois de entender esta tese que na verdade é muito simples. Partindo da idéia de que todos tem ciúmes e vendo muitos de meus amigos vitimando ou sendo vitimados, observei três níveis de ciúmes:
  1. Ciúme patológico - é nada mais nada menos que o sujeito que tem desequilíbio mental, ele é doente, não se controla, e, tenta controlar o parceiro ou parceira com suas loucuras e invencionices. O ciumento patológico é descontrolado, manipulador, vive em seu mundo. A outra parte é a vítima, porém, às vezes em função da família, dos filhos ou do casamento, acaba cedendo e por fim doente ou vitimada de um mal maior;
  2. Ciúme escudo - Aqui o elemento usa desta ferramenta como escudo para poder trair a outra parte. Quem se utiliza do ciúme como escudo faz a outra parte acreditar que é muito ciumento e que é perfeito, santo e coitado, enquanto isso, pinta o sete. Claro, a outra parte vive preocupada em não vacilar e nem percebe que está sendo vitimada;
  3. Ciúme provocado - Neste caso em algum momento houve um fator motivador de desconfiança. E minha idéia é que confiança não se compra, se constrói. As pessoas confiam ou não confiam e nas relações afetivas isto é um fator muito importante para uma relação sólida. Então resumindo, por falta de confiança uma das partes sempre terá ciúmes provocado por desconfiança.
Penso que erramos muito por falta de conhecimento [Mt 22.29]. Não conhecer profundamente as pessoas com quem nos relacionamos ou construimos uma relação. Não conhecer a nós mesmos, nossos limites e possibilidades. Não conhecemos nossos parentes direito, seja pai, mãe, filhos, irmãos, etc. Por último não conhecemos a Deus Criador, mantenedor e sustentador do Universo e de todo ser vivente. Nós não conhecemos o amor de Deus, não desfrutamos dele, somos mesquinhas, ciumentos, avarentos, limitados e muitos perdem a afeição pelo vida e pelo próximo, às vezes esse próximo é a esposa. Soli Deo Gloria.

Profº Francisco Netto.

5 comentários:

  1. Parabéns pelo seu Blog Francisco Araújo. Com certeza temos muito que a crescer espiritualmente para conhecer o Criador.
    Visite e participe também do meu Blog Servidor Público Joinville.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela sua visita e comentário deixado no blog de Francisco:)
    Neste post você abordou o psicológico ... interessante!
    Feliz Páscoa com seus entes queridos!

    ResponderExcluir
  3. RADIO GOSPEL MUSIC LIFE

    http://crescerevencercomjesus.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. ΧΑΙΡΕΤΙΣΜΟΥΣ ΑΠΟ ΤΗΝ ΕΛΛΑΔΑ
    πατήρ Γεώργιος-proskynitis.blogspot

    ResponderExcluir

The Best Articles